A Levante traz as melhores ideias de investimento

Como escolher os melhores fundos de investimento?

Compartilhe

Aprender a montar a melhor estratégia de diversificação para a sua carteira independente do seu perfil é um dos principais objetivos de quem pensa em investir em fundos. Mas afinal, como escolher os melhores fundos de investimento?

Se o seu objetivo é diversificar os investimentos, colocar seu dinheiro em fundos pode ser uma boa escolha. Neste caso, um gestor profissional cuida da administração dos fundos que podem reunir ações, moedas, renda fixa, ouro, aplicações no exterior e muito mais.
O que são os fundos de investimento?

Para ficar mais simples de se entender, imagine que os fundos são como condomínios. Neste ambiente, vários investidores unem seus recursos, dividem despesas operacionais e centralizam a movimentação do dinheiro nas mãos de um gestor qualificado perante a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e com experiência comprovada, que vai movimentar conforme estratégias pré-definidas (elas são estabelecidas na classificação e no regulamento, obrigatoriamente). É essa pessoa que vai aplicar o dinheiro de todas as demais depois de avaliar as melhores estratégias.

– Veja também: Como declarar investimentos no Imposto de Renda de 2018
– Quer saber como ganhar dinheiro? Corra mais risco
– Poupança ou Tesouro: onde investir?

Dicas para escolher os melhores fundos de investimento

Junto com a rentabilidade maior, também vem o risco, então tenha sempre em mente que estamos falando de fundos que podem não ser recomendados para você que gosta de estabilidade e segurança nos investimentos.

Verifique sempre as informações principais do fundo que estiver avaliando, principalmente o histórico de rendimentos. Ele não necessariamente vai garantir que no futuro os ganhos serão os mesmos, mas vai te dar mais segurança para escolher uma opção que se mostra mais sólida e de confiança, já que obteve bons resultados no passado. Sabendo qual foi a rentabilidade do fundo desde o início, ficará mais fácil de visualizar se ele é estável.

Escolher qual fundo ter no portfólio dentre os milhares que o mercado brasileiro possui não é uma tarefa nada fácil, por isso é preciso evitar um erro comum, que é avaliar somente o lado da rentabilidade. Essa informação isolada é incompleta, pois não considera a volatilidade (medida do grau de risco) do retorno daquele fundo. A volatilidade é uma medida de dispersão de retorno, medida importante do grau de risco.

Informações obrigatórias você deve saber antes de aplicar

Exitem condições sine qua non (do latim, representam as condições necessárias) para a escolha do fundo e do gestor. Casas consolidadas, gestores experientes, fundos com patrimônios grandes o suficiente para diversificação, definição de limites e uma área de riscos independente são pontos de suma importância.

Tão importante quanto a escolha do fundo, é a adequação da estratégia ao momento. Assim como os títulos públicos do Tesouro, que possuem comportamentos diferentes em cada momento do ciclo econômico, os fundos também possuem desempenhos distintos em momentos diferentes. Por isso, a importância de estar no fundo certo no momento certo.

Qual o seu objetivo ao investir em um fundo de investimento?

É indispensável que você pense também em qual será o seu objetivo com aquela aplicação. Pesquise sobre os fundos, avalie suas rentabilidades e leia os regulamentos.

Ao pensar sobre sua meta, avalie qual valor você investirá periodicamente, em quanto tempo você espera atingir a meta e qual risco você pode assumir em busca de maior rentabilidade.

Avalie se as taxas estão adequadas ao tipo de gestão

Pense muito bem se você de fato aproveitará o benefício de ter um gestor profissional cuidando de seus recursos — caso contrário, repense sua estratégia.

Lembre-se que as vantagens de usar um fundo de investimento para aplicar seus recursos é contar com a gestão profissional dos ativos e diversificar sua carteira sem precisar de grandes valores — além de ratear os custos administrativos com outros investidores.

Avalie os tipos de fundos de investimento

Após selecionar o tipo de fundo de investimento mais adequado para ajudá-lo a alcançar sua meta, é hora de analisar melhor o descritivo fornecido por seu banco ou corretora, chamado de prospecto (é ele que mostra quais são os ativos e as regras básicas).

Fundos DI

Este é um dos prediletos do investidor brasileiro: o Fundo DI (ou Fundo Referenciado DI). Dentre todas as opções disponíveis do mercado, esta é uma das mais simples, o que explica o porquê de seu sucesso. Esse investimento é muito usado para formar uma reserva de emergência. Assim, o investidor poderá pedir o resgate do valor aplicado a qualquer momento.

Esses fundos devem investir no mínimo 95% do seu patrimônio em Títulos Públicos atrelados à Selic (que é a taxa que o governo paga a quem empresta dinheiro a ele), também conhecidos como Tesouro Selic. Estes títulos são pós-fixados, ou seja, aumentam ou diminuem a rentabilidade em função da variação da taxa básica de juros.

Fundos de Crédito Privado

Esse é um tipo de fundo que possui mais de 50% de seu patrimônio aplicado em títulos de renda fixa de empresas privadas. Basicamente, são títulos emitidos por bancos e empresas para captar recursos com os investidores, como CDBs, LCAs, LCIs, debêntures, CRAs e CRIs e outros.

Fundos de Renda Fixa

Neste caso, os fundos devem investir no mínimo 80% de seu patrimônio em ativos de renda fixa (títulos públicos ou privados) que variem de acordo com as taxas de juros do mercado (Selic) ou índices de inflação. Essa característica faz com que seus rendimentos sejam mais previsíveis e constantes.

Fundos de Ações

Os Fundos de Ações, também conhecidos pela sigla FIA, são aqueles que devem ter 67% da sua carteira voltada para o mercado de ações. Para quem quer ter o rendimento de renda variável na carteira, é uma ótima escolha, já que não é preciso perder muito tempo do seu dia a dia acompanhando as movimentações e avaliando as empresas.

Fundos Multimercados

Como estamos em um momento do Brasil com a Selic (taxa básica de juros) baixa, talvez seja a hora de pensar em diversificar os investimentos e arriscar um pouco mais para aumentar a rentabilidade. É neste cenário que os fundos multimercados ganham atratividade.

Portanto, se você quer diversificar seus investimentos conseguindo uma performance melhor, mas sem precisar gastar seu tempo com a administração direta desse capital, os fundos multimercados são uma ótima opção, já que mesclam diversas modalidades e classes de investimentos.

Investimento em Valor
Eleições 2018 e a busca por outsiders
Aprenda como investir na Bolsa

Gostou do artigo sobre como escolher os melhores fundos de investimento? Aproveite para conhecer nosso Manual de Fundos, que apresenta informações mais completas sobre o tema que está fazendo a cabeça dos investidores.

Compartilhe

Recomendado para você

Não há luz no fim do túnel da política

Em um momento político tão conturbado, é natural que algumas perguntas fiquem sem respostas. Ou melhor, é natural que muitas perguntas fiquem sem respostas na política…

Aposte no alfa

Na última terça-feira (15 de maio), eu participei do décimo primeiro Congresso de Value Investing Brasil (ViB), com a presença de importantes gestores de fundos de investimento. O evento foi organizado pela Value Investing Brasil…

Fechar Menu

Receba agora nossos Relatórios Exclusivos

Fechar Painel